Hidrogel : 10 motivos para não se utilizar.

0

Hidrogel : 10 motivos para não se utilizar preenchimentos a base dele.

O que é Hidrogel de Poliamida?
Nos últimos meses, problemas graves de saúde foram atribuídos ao uso do hidrogel, que se trata de uma substância composta por 98% de água e 2% de poliamida, uma molécula sintética que armazena esse líquido.

Como ele é administrado no paciente?
O hidrogel é injetado com uma microcânula sob a pele da área em que o paciente quer fazer a correção ou aumentar o volume. É um procedimento cirúrgico feito sob anestesia local e que deve, portanto, ser feito em um centro cirúrgico ou clinica medica que tenha condições de atender possíveis emergências médicas.
O profissional habilitado para fazer o procedimento é um médico, de preferência um cirurgião plástico ou um dermatologista com treinamento em técnicas de preenchimento do corpóreo.

Porque não utiliza-lo?
10 motivos para não se utilizar preenchimentos a base dele:
- Quando o hidrogel é aplicado sob a pele, um processo inflamatório se forma em volta dele, o que adia sua absorção pelo organismo
- No Brasil, foi registrado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em novembro de 2008 tanto para preenchimentos faciais quanto tanto corporais, porém encontra-se irregular atualmente. Este produto não é aprovado nos EUA, o que o torna um produto pouco seguro. Não há estudos suficientes que garantam a segurança da técnica em longo prazo, por isso é necessário ter cautela.
- O hidrogel oferece riscos de rejeição, reações alérgicas ou incompatibilidade, similares as complicações que ocorrem com o PMMA (polimetilmetacrilato), substância que também já foi usada para aumento de glúteos.
- Caso a aplicação dê errado, a retirada tanto do hidrogel ou de PMMA é praticamente impossível e os pacientes submetidos a essa intervenção correm risco de ficarem com sequelas permanentes.
- A lista de contraindicações é extensa e inclui pacientes com doenças inflamatória e ou infecciosas agudas e crônicas, diabetes, doenças do tecido celular cutâneo, problemas nos vasos sanguíneos no local da injeção, entre outras.
- Como o procedimento pode levar ao depósito de uma grande quantidade de material sob a pele, há risco do produto ser injetado perto de um vaso e comprimi-lo, causando uma isquemia e necrose da pele e subcutâneo.
- Caso o produto seja injetado próximo a um nervo importante ele pode comprimi-lo, provocando dores fortes.
- Outro risco é que o produto seja injetado indevidamente dentro de um vaso sanguíneo, o que pode levar a uma trombose e necrose local. Pode também provocar uma embolia pulmonar ou até cerebral, e levar à morte.
- Quando aplicado de forma incorreta pode causar deformidades severas e traumas psicológicos e emocionais severos.
- O paciente está sujeito ainda a ter hematomas, dores e alergia ao produto.

image_pdfimage_print
Compartilhar

Sobre o autor

Deixar comentário